24 de setembro de 2009

A exploração do desespero

exploração

Impressionante como a ganância, a falta de bom senso e de verdonha na cara podem levar a fotos inusitados. Não é segredo para ninguém a imensa dificuldade que os brasileiros em geral; pessoas físicas ou jurídicas, enfrentam atualmente para manter-se; de modo a minimizar custos, inventam as mais mirabolantes fórmulas; algumas honestas, outras nem tanto e outras puramente descaradas.

As pessoas, na ânsia de arrumar uma fonte de renda, acabam sujeitando-se às mais humilhantes formas de exploração. E, claro; muitas empresas deitam e rolam em cima.

Eu mesmo já passei por isso recentemente. Ano passado, aceitei uma vaga para instrutor de informática. Não é minha área, mas como era coisa básica, resolví encarar. Em pouco tempo, além de dar aulas, tambem queriam que eu cuidasse de matrículas, informações ao público, atendimento e toda a parte de secretaria, tudo referente ao curso de inforática.

A principio não me incomodaria, desde que houvesse comunicação e orientação. Poderiam simplesmente chamar-me para uma conversa, explicado: “olha, Douglas, nós estamos com problemas, estamos sobrecarregados, precisamos de sua colaboração, não é só dar aula, precisamos que vc. cuide da parte de secretaria, atendimento, matriculas, etc.” Eu teria respondido da seguinte forma: “tudo bem, mas como funciona isso”.

Daí, poderiam ocorrer duas hipóteses:

1. Eles passarem-me as devidas orientações.

2. Eles dizerem: “não sei; te vira! vai atrás da informação”.

Se ocorresse a Hipótese 2, eu recusaria tal papel e pediria demissão. O que ocorreu de fato foi: não me comunicaram absolutamente nada, não me passaram informação nenhuma e começaram a jogar as responsabilidades no meu colo; como quem diz “toma que o filho é teu”, não se deram ao trabalho nem de dizer “não sei, te vira”.

Além disso, incubiram-me de dar aulas na parte da manhã e não estavam pagando nem um tostão a mais por isso, nem mesmo a condução! alegavam estar sobrecarregados, sem tempo de fazerem os cálculos e que “mas para frente acertariam”

Cheguei a me queixar disso aqui no blog.

http://tavernadeivanhoe.blogspot.com/2008/09/e-barca-segue.html

Não sei como tiveram acesso a ele, mas a direção da instituição teve a manha de acessar meu blog, imprimir esse post e usar isso como pretexto para demitir-me. Alegaram que foi “antiético”, “ficou chato para a instiuição”. Em outras palavras: tratarm-me como um lixo e ainda quiseram sair de vítimas.

Ontem, ví mais um exemplo de exploração explícita ao desespero: fui a uma entrevista profissional que deixou-me indignado.

Foi numa conceituada empresa do ramo imobiliário da região. A vaga era para corretor de imóveis: tinha que fazer um curso para tirar a carteirinha do CRECI. Eles não pagavam absolutamente nada: salário, ajuda de custo, condução, nem ajuda p/ pagar o curso!!! Só comissão: vendeu ganha, não vendeu não ganha.

Ou seja; tinha que pagar p/ trabalhar e pagar p/ estudar!!!

Ora, se querem minimizar custos, é um direito que lhes assiste; então que recrutem corretores formados, já com CRECI!!!

Fiquei passado!!

É, esse é o nosso querido Brasil. O eterno país da “lei de Gérson”.

1 Comment:

Denise said...

É uma vergonha. Aliás, pra contratar existem N restrições. Tem que ter mil anos de experiência, tem que ter até 25 anos, passou dos 30 já é velho pro mercado de trabalho, isso quando não tem que registrar uma Pessoa Jurídica, pois ninguém quer pagar os direitos trabalhistas. E ai de você se algum dia roubarem seus documentos e vc for parar no SPC sem motivos! Aí que não contratam mesmo! E o trabalhador só toma no rabo. Enquanto isso, ministros do STF ganharam um singelo aumento, e estão ganhando quase 27 mil reais por mês.. Fala sério viu, tem hora que dá um desânimo...